Dicas & Idéias Fotos & Relatos Planilhas & Roteiros Clubes & Associações Manutenção & Mecânica Curiosidades & Crônicas Fale Conosco

Ushuaia 99 - Parte 6
A viagem dia-a-dia (08/01 - 09/01)

Descrição da viagem dia a dia:

08 - Puerto Madryn - Calleta Olivia -Acidente - Bosque Petrificado.mapa0809.jpg (20110 bytes)

De Puerto Madryn nosso objetivo era o Monumento Nacional dos Bosques Petrificados. Tomamos a ruta 3 e seguimos aquele interminável tapete preto passando por Comodoro Rivadavia, até Calleta Olivia. Deixamos a província de Chubut e entramos em Santa Cruz. Dentro de Calleta Olivia nos perdemos e um senhor se ofereceu para nos mostrar o caminho com a sua camionete. O canal 21 que estávamos usando era o mesmo dos táxis da cidade e mudamos para o 40.

ushuaia08.jpg (27093 bytes)Não desconfiávamos que ainda iriamos voltar para aquela cidade em situação meio trágica. Seguimos ao longo da costa, com o GPS marcando - 50 m de altitude e indicando que estávamos no meio do mar (me senti em um submarino !). Quando encontramos as primeiras placas indicando o Bosque Petrificado nos animamos e começamos a conversar pelo rádio. Encontramos a entrada da estrada de ripio, paramos para engatar a roda-livre porque havíamos percebido que usando o 4x4 ficava mais seguro andar no ripio. Entramos na estrada e nos alegramos que havia uma placa indicando " Camping La Paloma" a 20 km. Há um camping dissemos todos ao mesmo tempo pelo rádio. Nosso plano era ir ao Bosque Petrificado, fazer um passeio e retornar ao camping para dormir. Apesar do tempo seco e da paisagem desolada e sem vegetação, esta estrada de ripio tinha poças de lama em todas as baixadas e nos desviávamos delas. Eu ia a frente, pois a Tércia estava sempre navegando, o JPX do Fernando e Tomaz em seguida, mais atrás o Neto e o Enio fechando o comboio. Passamos por um bando de guanacos e demos uma diminuída na velocidade para vê-los, acelerando em seguida. Estávamos todos alegres e ansiosos para chegar ao camping e ao Bosque Petrificado e andávamos um pouco separados, mas com o contato de rádio sendo mantido a todo tempo. Foi quando ouvi o Neto no rádio: "Marco, volte que o Fernando capotou !" Foi um susto.
u08.jpg (53975 bytes)Paramos o carro e comecei a manobrar para voltar, perguntei como eles estavam. Ele ainda respondeu que haviam saído do carro andando. E o carro?, perguntei. Já não tive resposta, o Neto havia saído de seu carro para socorre-los. Quando voltamos nos deparamos com o JPX de lado em uma subida leve, logo depois de uma das poças de lama. O Fernando atordoado e com um ferimento leve na parte de trás da cabeça, o Tomaz ainda tonto pois ele estava dirigindo no instante do acidente. O carro derrapou, entrou em pêndulo e capotou. Nos dividimos em dois grupos, um atendia os meninos (Tércia, Rosa e Enio). O outro cuidou do carro. Passaram alguns argentinos e pedimos para avisarem o guarda-parque.
ushuaia09.jpg (30188 bytes)Estávamos a, pelo menos, 200 km de qualquer lugar, não havia telefone no camping ou no parque e os nossos rádios PX não pegavam nada, mesmo abrindo todo o "squelch". Desviramos o JPX, desligamos a bateria, trocamos um pneu que havia soltado do aro durante (ou antes, nunca saberemos) a capotagem, desamassamos um pára-lama que estava pegando no pneu dianteiro (o Neto usou o macaco hi-lift para isso), engatamos o tow-bar (havíamos preparado um tipo de barra que serviria em qualquer um dos carros) no JPX e na nossa Toyota.
ushuaia10.jpg (34236 bytes)Durante este tempo todo o Fernando ficou deitado se acalmando e o Tomaz catou as coisas espalhadas pela estrada. Levamos o carro para o camping e tratamos de armar as barracas porque o vento estava começando a ficar muito frio. Apesar da aridez e do isolamento, havia água quente e pudemos tomar banhos relaxantes, comer algo quente e dormir. O tempo todo nos sentíamos um pouco reconfortados porque insistimos com todos que não deveriam sair do Brasil sem um seguro, e o Fernando havia feito o seu.
  ushuaia11.jpg (19698 bytes)Traçamos nossos planos, depois de conversar com o guarda-parques; no dia seguinte iríamos visitar o parque e levaríamos os meninos para a cidade de Calleta Olivia. Segundo o guarda-parques era o lugar com mais recursos nas redondezas e ficava próximo a um aeroporto. De lá poderíamos telefonar para a companhia de seguro e para a casa.


09 - Bosque Petrificado - Fitz Roy - Calleta Olivia (volta).

A manhã seguinte não foi muito animadora. Os donos do camping concordaram em hospedar o carro acidentado pelo tempo que fosse necessário. O cobrimos com uma lona bem amarrada, por causa do vento, e o deixamos para trás. Ushuaia12.jpg (24535 bytes)Fomos conhecer o Bosque Petrificado e encontramos uns guanacos e uma raposinha pelo caminho. O guarda-parques foi muito simpático e nos mostrou um pequeno museu. A paisagem era impressionante, mas estávamos todos preocupados. Voltamos para Calleta Olivia passando de novo por Fitz Roy. Chegando lá, procuramos um posto telefônico e tentamos ligar para o seguro, para São Paulo, etc. Também liguei para todos os hóteis da cidade para arrumar dois duplos e um quádruplo com cochera. Enquanto os meninos ligavam nós resolvemos fazer a manutenção dos carros e procurar um hotel.

u09.jpg (43951 bytes)O Enio aproveitou para trocar o pára-brisas de seu JPX. Enquanto eu fazia o rodízio dos pneus em um borracheiro apareceu uma pessoa da TV local para fazer uma entrevista. O trocador de óleo do posto YPF nos atendeu super bem. Depois de tudo resolvido, os meninos nos disseram que o pessoal do seguro só os atenderia na segunda-feira (era sábado) e decidimos tomar um bom banho, dar um passeio, fazer um último jantar da turma toda e partir no dia seguinte. O Fernando e o Tomaz ficariam em Calleta Olivia para resolver os trâmites do seguro e descobrir um jeito de voltar para o Brasil. O hotel era modesto. O dono era um milanês que vivia há muitos anos na Argentina e se alegrou muito quando descobriu que podia conversar em italiano comigo. O jantar também foi em um restaurante modesto, mas a comida estava excelente e farta.

Anterior Acima Próxima