Dicas & Idéias Fotos & Relatos Planilhas & Roteiros Clubes & Associações Manutenção & Mecânica Curiosidades & Crônicas Fale Conosco

Conector para Barra Estabilizadora

Markito Amato

Você sabe para que serve a barra estabilizadora do seu jipe?

Ela é a responsável por garantir que seu veículo fique mais estável em curvas fechadas feitas em alta velocidade. Para tanto, essa peça "une" as duas pontas de um mesmo eixo formando um só conjunto. Assim, quando um dos lados do eixo tende a subir, a barra "puxa" a outra ponta para cima também.

Funciona mais ou menos assim: em uma curva para a direita, em função da força centrífuga, o jipe tende a tombar para a esquerda. Com essa inclinação, a ponta esquerda do eixo fica mais próxima do chassis, dada a compressão da mola. Caso haja uma barra estabilizadora na dianteira, por exemplo, a ponta direita desse mesmo eixo seria "forçada" a se aproximar do chassis também. Isso faria com que a frente do veículo "baixasse", evitando, assim, o tombamento.

Agora tire um tempinho e olhe a suspensão do seu jipe com atenção. Você vai reparar que a barra estabilizadora não limita, nem interfere no curso da suspensão, ou seja, no movimento feito para cima ou para baixo do eixo como um todo. Sua única função, na verdade, é minimizar a torção da mesma, que pode ser entendida como a situação na qual uma ponta do eixo está em cima e a outra, embaixo. Essa limitação de movimento significa um enorme entrave nas trilhas, porque a torção fica totalmente comprometida. E o que mais importa no off-road é manter as rodas no chão, pois isso significa tração para transpor os obstáculos. Daí, o costume de se retirar a estabilizadora na hora de encarar uma lama!

Agora, eu pergunto, para que colocar ou manter uma barra estabilizadora em um jipe destinado às trilhas?

Bom, se você é como eu, meio "roda-presa", que não se importa de andar em comboio com jipes antigos e lentos no meio, retirar a estabilizadora é a solução mais simples. Porém, tenha em mente que seu 4x4 passará a encarar curvas fechadas com mais respeito, o que exigirá prudência de sua parte.

Por outro lado, se você gosta de velocidade, tanto para chegar mais cedo na trilha, quanto para garantir um retorno mais rápido para casa, a barra estabilizadora é um item fundamental. E mais fundamental ainda é o sistema para desconectá-la.

Pensando nisso, bolei o esquema que aparece no desenho abaixo. Um sistema simples de fabricar (pode ser feito em casa) e de usar. Para tanto, antes de entrar na trilha, solte os pinos de fixação e deslize o "Conector deslizante" (tubo quadrado) para o lado. Daí, prenda-o com um dos "pinos de fixação" e pronto! Establizadora desligada; torção garantida!

Detalhes

Se você reparar, eu não coloquei dimensões no desenho. Isso não foi à toa. Como existem diversos tipos de barra, com diâmetros os mais variados, seria estranho eu disponibilizar algo relativo a uma somente. Sendo assim, antes de comprar o material, verifique todas as medidas. Faça o mesmo antes de cortar a barra. Aliás, esse corte não precisa ser feito extamente no meio da mesma. A única coisa necessária é a retirada de uma pequena seção da barra, para que não haja contato entre as pontas e, assim, barulhos de rangido.
Ao soldar as extremidades da barra estabilizadora no tarugo ou tubo quadrado (cor amarela), evite ao máximo o superaquecimento da peça, soldando pequenos trechos de cada vez. Faça isso alternando os pontos de solda. Além disso, nem pense em jogar a peça na água para resfriá-la, pois isso a deixaria dura porém, frágil demais. Vale lembrar que qualquer solda, por menor que seja, já altera a têmpera do material. Portanto, o ideal é fazer esse trabalho com calma e em uma segunda barra, nova ou comprada no ferro-velho.
Ao invés de pintar as partes interna do "Conector deslizante" (cor azul) e externa do tarugo quadrado (cor amarela), utilize um pouquinho de graxa anti-oxidante. É claro que, se você preferir e tiver disposição, um tratamento químico deixará a peça com um visual bem melhor. De qualquer forma, a graxa sempre ajuda.

Anterior Acima Próxima

© 2003 - Universo Off-Road
Não é permitida a reprodução de fotos e textos deste site